Por favor, insira um email válido

Crédito cresce em linhas mais caras e eleva risco de inadimplência

20.08.2015

Os juros mais altos e o aumento das barreiras para concessão afetaram a busca pelo crédito, que deve registrar um crescimento mais modesto neste ano – 9%, a menor taxa desde 2003. Nos primeiros seis meses do ano, a maior expansão aconteceu justamente nas modalidades mais caras, como a do cheque especial e a do rotativo do cartão de crédito. A previsão é que isso impacte no aumento da inadimplência das pessoas físicas, que até agora tem se mantido controlada para um ano de desemprego em alta e renda em baixa.

 

Dados do Banco Central mostram que o saldo do cheque especial para pessoa física cresceu 12,7% de janeiro a junho, chegando a R$ 27,6 bilhões, e do rotativo do cartão, 16,6%, atingindo R$ 33,1 bilhões, enquanto outras linhas mais baratas como as de empréstimo pessoal, consignado ou não, aumentaram de forma bem mais amena. No caso do não consignado, o aumento foi de 4,5% no mesmo período, enquanto o consignado para servidores públicos cresceu 4,8%.

 

“Com o aumento dos juros base, a forma de captação dos bancos fica mais cara e menos recursos são colocados à disposição dos clientes. Por isso, o cheque especial e o cartão de crédito rotativo se tornam uma opção mais viável, pela facilidade de acesso mesmo”, afirma o economista Roridan Duarte, do Conselho Federal de Economia (Cofecon).

 

Enquanto isso, linhas que vinham em alta nos anos anteriores, como a de aquisição de veículos e de bens, estão em queda de 6,1% e 6,2%, respectivamente, mostrando que o recuo é maior em algumas modalidades. “O crédito está crescendo menos primeiro porque teve um recuo no consumo, o próprio consumidor se retraiu. Além disso, as instituições financeiras estão mais exigentes para liberar crédito. A demanda caiu e a oferta também”, explica Ricardo Humberto Rocha, professor do Insper.

Sem dinheiro

 

O risco da expansão do crédito por meio do cheque especial e do cartão de crédito rotativo é justamente as altas taxas de juros dessas linhas, que devem influenciar no aumento da inadimplência ao longo do ano. Até agora, os números de maus pagadores têm se mostrado controlados, apesar do cenário de inflação persistente.

O economista do Cofecon explica que isso tem acontecido porque a inadimplência ainda está refletindo o cenário global dos meses anteriores, quando o maior volume de empréstimos vinha dos consignados, que possuem riscos mais baixos de receberem calote. “Agora a tendência é que o índice aumente na medida que se aumenta a busca por estes créditos mais caros”, afirma.

 

Segundo Rocha, do Insper, antes da percepção da crise, o pico de inadimplência de 2011 e 2012 aconteceu por causa do excesso de consumo. “Agora os brasileiros estão recorrendo ao crédito de curto prazo e mais caro. Se eles conseguirem cobrir com outro tipo de crédito, pode ser que consigam pagar as dívidas. Se não, daqui um tempo vão ter que optar se vão ao supermercado ou se pagam o juros do cartão de crédito.”

Aposentados fazem mais consignado para ajudar família

 

Além do cheque especial e do rotativo do cartão, a única modalidade de crédito que também cresceu bastante é o consignado para beneficiários do INSS. Nos primeiros seis meses do ano, o saldo da linha voltada para aposentados e pensionistas subiu 8,5%, atingindo R$ 105,4 bilhões.

O empréstimo consignado teve suas regras alteradas recentemente pelo governo federal através de medida provisória. O limite de comprometimento da renda para a obtenção do empréstimo passou de 30% para 35%. A mudança vale para todos os tipos de consignado (servidores públicos, trabalhadores do setor privado e beneficiários do INSS).

 

O economista do Cofecon Roridan Duarte afirma que esse aumento na modalidade que beneficia aposentados e pensionistas ainda não é reflexo das novas regras do limite da renda. “No momento esse crescimento se dá principalmente pela dificuldade das pessoas de conseguir crédito nas linhas tradicionais. Por isso, recorrem a pais e avôs para arrumar dinheiro. Sem contar a parcela de trabalhadores que perdeu o emprego e muitas vezes também recorre a ajuda dos mais velhos da família.”

 

Outro motivo apontado por Ricardo Rocha, professor do Insper, é o comprometimento da renda do próprio aposentado por causa das altas dos alimentos e dos medicamentos, itens que oneram muito o orçamento dos idosos. “Por isso, eles tiveram de recorrer ao consignado. Não para consumir, mas para o básico do dia a dia”, diz.

 

 

Please reload

Destaques

7 atitudes de pessoas hiperprodutivas no trabalho

05.07.2017

1/10
Please reload

Recentes

21.08.2015

Please reload

Arquivo
Please reload

Busca por Tags
 
Please reload

© 2018 por Asejur C. E. Ltda. Todos os direitos reservados
 

Criado e Desenvolvido por Rogério Oliveira